QUER SABER O QUE MAIS ME PERGUNTAM SOBRE CAPTAçãO DE INVESTIMENTO PARA STARTUPS?

01/02/2016

Levantar uma rodada de capital é uma tarefa bastante complexa para a maioria dos empreendedores. Apesar das frequentes histórias de sucesso, o processo de captação costuma ser solitário, acompanhado de grande ansiedade, momentos de frustração, incertezas e dúvidas.

É comum as startups se debaterem tentando equalizar questões como o valuation e a estrutura da oferta. Existem, entretanto, muitos outros pontos importantes de se considerar na hora de captar recursos, por isso decidi compartilhar abaixo algumas das perguntas mais frequentes que recebo dos empreendedores no meu dia-a-dia no Broota.

Qual o momento certo para levantar capital?

O melhor momento é aquele em que a empresa já possui um bom histórico (tração) para apresentar aos investidores. Entretanto, determinar o “bom” nessa equação é a parte difícil, afinal há sempre uma próxima etapa importante de ser alcançada que poderá tornar sua rodada mais atraente…

Para cada estágio de desenvolvimento de um negócio os investidores possuem certas expectativas. Para levantar uma rodada de R$1milhão, por exemplo, a empresa já precisa ter um time formado e um produto bem desenvolvido, além de níveis de receita e clientes razoavelmente sólidos.

No melhor dos casos, capte investimento quando os três critérios abaixo forem verdadeiros para sua empresa:

  1. Você tem caixa suficiente para garantir tempo e flexibilidade durante o processo. Em outras palavras, siga a máxima de que a melhor hora de captar investimento é quando você não precisa dele! Caixa = tempo de execução = poder de barganha;

  2. Você alcançou as etapas necessárias para garantir o valuation que você acredita ser justo;

  3. Você está preparado para fazer um pitch vencedor e responder com eficiência a diligência dos investidores.

Devemos determinar um valuation fixo de largada?

Fixar um preço de largada para sua rodada pode ser uma estratégia arriscada. Se você oferece R$X e os investidores passam a oportunidade, pois não acreditam que a empresa vale esse valor, voltar aos mesmos investidores com um valuation menor em geral não resolve o problema.  Por isso, é muito comum startups usarem instrumentos de dívida conversível para levantar rodadas semente. Dessa forma, a empresa estabelece um preço máximo que só é definido numa próxima rodada, em geral com um desconto para os primeiros investidores que tomaram mais risco.

De qualquer forma, mesmo não definindo o valuation de início, você provavelmente emitirá uma série de sinais que os investidores mais experientes saberão interpretar. Entre os principais, estão o montante a ser captado, o preço da última rodada, a quantidade já captada, e o número de rodadas realizadas.

Quanto devemos captar?

Todo empreendedor quer ser estratégico no montante a captar, de forma a minimizar sua diluição sem comprometer o tempo necessário que ele precisa para atingir seus objetivos – que por sua vez proporcionarão um maior valuation na próxima rodada. O que nenhum empreendedor quer é ficar curto de grana entre duas rodadas e ter que captar sem a tração necessária para justificar o valuationesperado.

Por isso, em geral as startups captam o suficiente para sobreviver por uns 18 meses, considerando que precisam de um ano para alcançarem os principais objetivos daquela fase, mais uns 6 meses de reserva para eventos não previstos e preparação da rodada seguinte. É importante calcular bem o seu Burn Rate e considerar que muitas vezes você precisará do dobro do tempo previsto.

Que tipo de investidores devemos buscar?

Um dos pontos mais importantes é focar em atrair investidores adequados ao estágio da sua empresa, em especial se ela estiver numa fase inicial – pois esses são os investidores mais difíceis de encontrar.

Foque também nos investidores com experiência no seu segmento, pois serão capazes de contribuir com dicas e introduções em geral de forma bastante eficiente – ou, no pior dos casos, poderão dar feedbacks valiosos para corrigir o rumo do negócio/captação.

Tudo bem nós apenas conversarmos com os investidores? Ou precisamos de uma apresentação em slides completa (deck)?

A maioria dos empreendedores tem bem poucas chances de causar uma forte impressão nos investidores, por isso, você deve tratar cada interação como se fosse a última. Faça com que cada conversa reflita o seu melhor pitch. Não desperdice nenhuma chance, mesmo aquelas supostamente despretensiosas.

Dedique tempo para preparar um deck completo. Embora a maioria dos investidores não vai gastar mais do que 4 minutos analisando este resumo do seu plano de negócios, um bom material demonstra profissionalismo. Dê atenção especial às páginas dos demonstrativos financeiros, da equipe, competidores e da justificativa do porquê agora é um bom momento para implementar seu negócio.

Por fim, pratique seu pitch! Simule e cronometre versões de 30 segundos, de 3 e 10 minutos. Independente do tempo, você deve ser capaz de passar pelos pontos mais importantes do pitch. Esse podcast com o famoso investidor Chris Sacca traz um bom exemplo de como impressionar um investidor em 3 minutos.

Que tipo de modelo financeiro devemos preparar para os investidores?

Toda empresa deve usar algum tipo de projeção financeira. Mesmo uma startup no início de sua trajetória deve ser capaz de montar um orçamento, entender os principais vetores de gastos e, assim, gerenciar de perto seu caixa para saber o momento certo de captar recursos. Lembre-se que uma das atividades mais importantes de uma startup é entender bem o seu Burn Rate.

Investidores, em geral, vão demandar um proforma dos próximos 5 a 10 anos, mesmo sabendo que os números ali presentes irão certamente variar bastante.  O que esperam é mais avaliar as premissas centrais do modelo financeiro do que entender no detalhe cada linha projetada. Afinal, precisão não é necessariamente um indicador de assertividade.

Quanto tempo demora para levantar uma rodada de capital?

Algumas empresas conseguem captar em poucos dias, outras demoram vários meses. De acordo com a startup DocSend, que analisou 200 materiais de captação compartilhados através de sua plataforma, uma rodada semente demora em média 12,5 semanas. Independente da sua confiança, se prepare para levar mais tempo do que você espera e considere dedicação quase integral de pelo menos um membro da equipe.

Para maximizar sua probabilidade de sucesso, além de gastar todo tempo necessário para encontrar um investidor-líder, dedique-se antecipadamente a preparar a empresa para este processo: tenha seus materiais para investidores prontos; saiba de cabeça sua tração; e demonstre organização e velocidade, afinal o mínimo que uma startup deve garantir é que ela avance rápido naquilo que estabelece como prioridade.

Eu me preocupo em abrir informações confidenciais da minha empresa. O quanto devemos compartilhar com investidores?

Encare a abertura de informações como parte do custo de captação. Ao menos que você tenha empreendido com sucesso anteriormente, os investidores irão solicitar acesso a dados mais aprofundados ou estratégicos do negócio antes de comprometerem capital. No geral, a maioria das informações necessárias para a tomada de decisão do investidor não fará grande diferença para um eventual concorrente qualificado – o que importa no final das contas é a execução. Entretanto, não seja ingênuo: informações acabam muitas vezes vazando, mesmo que de forma não intencional.

Um dos potenciais riscos em não abrir informações de antemão e esperar a assinatura de um term sheet, por exemplo, é o investidor mudar de opinião após analisar mais profundamente seus materiais.  Seu papel, portanto, deveria ser mitigar esse risco deixando que o mesmo faça apenas uma diligência confirmatória (versus analítica) após assinatura do term sheet (ou outro tipo de confirmação do seu investimento).

Por Frederico Rizzo

 

Posts relacionados

 

Sobre o autor

 

STARTUP MS

A Associação Sul-Matogrossense de Startups (StartupMS), fundada em Agosto de 2011, é uma associação sem fins lucrativos de fomento ao empreendedorismo tecnológico no Mato Grosso do Sul, atuando no desenvolvimento e promoção de empreendimentos inovadores em todo o estado de Mato Grosso do Sul.